domingo, 30 de maio de 2010

Bolinhas Explosivas do Prazer

Pois então, voltei.

O retiro foi mais ou menos aquilo que eu esperava. Tirando as orações e as musiquinhas que eu não sabia cantar, foi surpreendente de várias maneiras.

Primeiro constatei que as pessoas que fazem esse tipo de retiro tem dois posicionamentos: o de agradecimento, ou de busca. O meu era busca.

DO QUE exatamente, eu não sei. Saí de lá irritada, louca pra mandar todo mundo tomar no cu e ficar em silêncio pra sempre. Eu sou assim, quando me irrito com alguma coisa fico tão puta, mas tão puta que a minha vontade é ficar em silêncio e se alguém vier falar comigo tenho vontade de desfiar meu terço de putaria.

Me irritei por várias coisas. Nada relacionado com o retiro ou com as pessoas, até porque o lugar era lindo de mais. Me irritei cOmigo mesma. Me irritei pq a minha busca resultou no caos. TUdo tende ao caos. Vi, ouvi e refleti sobre coisas que mexem nas minhas feridas.

De certa forma era isso que eu queria, e sabia que poderia acontecer. Meu posicionamento perante aos acontecimentos é que poderia ter sido diferente. Mas aprendi a aceitar meus sentimentos há muito tempo. Sou assim, me assumo. Dado este passo, posso mudar se eu quiser.

E o que mais me dói é pensar em ter que remexer em uma coisa que eu achava que estava muito bem resolvida a muito tempo na minha vida. E que todos esses anos, todas as experiências me fizeram pensar, respirar e trabalhar em um polo de energia diferente. Oposta. E se for realmente o contrário o que eu preciso, vai fudê muito ter que trabalhar e reequilibrar essa energia à origem novamente.

CARALHOOOO. Tô muito irritada, muito. Primeiro por não ter certeza de nada, por não saber se é só uma certa solidão que me aflinge e que por isso ideias malucas passam pela cabeça numa velocidade incrível que não me deixam refletir.

Fui pra essa merda desse retiro pra fugir de gente gay, e nem isso eu consigo. Como a Fernanda me disse hj, sapatinhas tmb tem espírito. Ah!!!!!! Mas que fossem trabalhar o espírito delas lá na PQP. Tá, tudo bem, eu não posso bater o martelo e afirmar sobre a sexualidade de uma pessoa somente pq a primeira impressão foi que havia uma energia tendenciosa bailando pelo ar. Mas não adianta pq desenvolvi um negócio que é bater o olho... e é batata!

Antes que eu jogue o computador pela janela, PRECISOOOO compartilhar com vcs algumas passagens dessa experiência fantástica:

1º momento foda: Depois de uma pequena caminhada pelas dunas e uma conversinha fiada, eu achei que íamos embora. Mas não! Momento reflexão. Espalhem-se pelas dunas, cada um num canto, fazendo uma reflexão da caminhada até aquele momento durante UMA HORA.

MAS QUE MERDAAAA!

Uma hora? Mais tempo do que eu ficava com a Dr. MAria da Graça na minha época de análise. Eu é 15 minutos to analisada! PQP. Eu tava gelada de frio, com fome, com sede, virada num croquete, menstruada ( sim, pq se é pra fudê vamo fudê tom tudo!! ), já estava escurencendo, meu corpo tava grudando e tinha ainda uns 15 minutos de caminhada no meio do mato pra poder voltar.

Eu achava que depois disso, nada mais poderia superar.

AHA!!! Ledo engano!

De noite teve rodinha da fogueira santa onde todo mundo acendia uma vela e contava seus podres, escutei altas revelações mas que a minha ética e a promessa de segredo na chama ardente do não-sei-quem-lá me impede de falar. Tá, momento profundo, foi bem legal mesmo.

No outro dia de manhã, malas prontas. Era almoçar e zarpar. Daí que teve a dinâmica que me deixou mais puta, por conta do que o Irmão Edson disse sobre uma passagem da bíblia que seria simples. Uma parábola bobinha sobre a água... mas é aquilo, quando a pessoa está suscetível, qlqr coisa dá um banho.

Mas o ponto alto mesmo foi quando todos de pé, de mãos dadas... e o outro Irmão me tira do bolso duas bolinhas de pompoarismo que eu JURO que eram iguais as que eu comprei num sex shop pra dar de presente pra Luana. Aquelas que a gente introduz e ela esquenta e explode, saindo um gel perfumado.

Pois é, fomos ungidos na testa com aquilo. E ainda tivemos que ungir o pessoal da cozinha com o mesmo objeto de libertinagem usados por muitos. ODORO!

Olhei a volta pra ver se mais alguém podia dividir aquele momento comigo, mas era uma coisa desconhecida pra galera.

Bom, fim. VOu dormir, passa da meia noite e eu preciso largar essa vida de dormir 4h da manhã e amanhã tem o maravilhoso trabalho de Farmácia Hospitalar pra fazer.

5 comentários:

Agnes disse...

Hahahahahahahaha nada a declarar!!!

MP disse...

Oi querida, saudades também.um beijão, cuide-se.

Pensando disse...

Olá,
de blog em blog acabei descobrindo o seu..gostei muito, principalmente desse lance de ser ungido com bolinha de pompoarismo..cada coisa sem noção que acontece..rsrsrsrs

luana disse...

hahahahahahahaa não creio nisso, só imagino tua cara pensando nas bolinhas, louca de vontade de rir e não podendo hahahaha e ainda passando óleo de perseguida nas pessoas hahahaha ai não Helena, só tu mesmo pra ir nesses esquemas da puc love you

3llen disse...

Prazer em ler seus posts! kkkk